Visite o SPIN
SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Capitão Gancho,,,crítica de cinema...por Eva

Por Eva - em seu blog

















O Capitão Gancho não cobiça Wendy.
Ele é avesso de Peter. É um homem triste.
Ele é espelho de Pan. É também só.
Conversando com Wendy, Gancho diz: ¿Peter não pode amar¿. Isto é parte da sua charada. Por quê? Porque os meninos perdidos são meninos abandonados pelos pais, perdidos nas ruas e que nunca mais encontram o caminho de casa. Como acreditar no amor, quando não se foi amado na infância?
Quando se foi rejeitado pela amada ninfa...
Os meninos perdidos, ao contrário de Wendy e seus irmãos, não conhecem o amor. Quando ela chega cheia de histórias para contar, histórias de amor, de aventuras, de finais felizes, conquista os meninos, aquecendo-lhes os corações. Assim, todos descobrem que é preciso voltar para casa e crescer.

Quando Wendy fala com Peter sobre isso, ele pergunta:
- Se eu voltar, vou ter que ir à escola, trabalhar num escritório, casar-me e ter filhos?
Ao que ela responde afirmativamente.
Ele não suporta essa idéia!

Sei bem o que isso significa.
Crescer é pesado.
Ter contas para pagar impede que voemos. Tem horas em que nem as amigas fadas enviando pós de fada em e-mails podem nos fazer voar. A realidade nos ata ao solo.

***

Wendy percebe que terá de abrir mão de sua história, do amor de seus pais e do percurso de sua própria vida para viver na Terra do Nunca. O esquecimento dos pais nas mentes de seus irmãos a assusta. Tal como na História sem fim (o livro de Michael Ende), quanto mais os personagens se embrenham no mundo de Fantasia, menos conseguem se lembrar da realidade do mundo dos adultos.
Ficar em Fantasia ou na Terra do Nunca é uma questão de desejo. Voltar para casa também.

***

Gancho discute a questão crescer-ou-não-crescer com Peter e lhe diz, como quem descobriu um grande segredo, que querer ser menino para sempre é a sua maior mentira.
Mentira ou não, reside em Peter uma nostalgia do que não foi vivido, da opção que ele não fez, traduzida na frase final:

¿Viver seria uma incrível aventura!¿

http://www.laslobas.blogger.com.br/2004_02_01_archive.html
.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009


nesta noite sonhei com um ponto de luz na escuridão
eu sei
agora sei
todos vocês que não guardais as palavras do espírito absoluto
não vês onde estais?
1 muitos minutos
2
3
4 muitos minutos
5
6
7 muitos minutos
8
9 não vês?

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

O inferno é aqui

Exatamente aqui nesta lan house onde estou
Clique na imagem para ampliar
Eis-me aqui
Um momento, o chefe está chegando
Ele fala para um jovem "olha digita este código aqui"
O meu código de acesso ao inferno: 34149
A cada dia um código
Já estive aqui outras vezes
Um momento, tenho que salvar o texto de minuto em minuto, aqui no inferno as coisas são muito exatas = perfeitas = específicas
Incrível como o chefe é sábio, ocorre que há uma grande difererença entre ele (spin exato) e deus (inexato = quântico = sincrônico = exato)
( )salvar
O diabo sabe tanto quanto deus, com a diferença de que deus sabe que sabe, é consciência em si mesmo, enquanto que o diabo apenas tem consciência e, portanto, não sabe que sabe, não tem consciência da sua própria sabedoria, não sente, apenas pensa
Já captei algumas imagens, vídeos e fotografias do inferno, no momento da captação o mp9 sofreu uma pane, talvez eu tenha que voltar aqui outras vezes para ver mais
Fui

domingo, 4 de janeiro de 2009

Estou aqui (ou: Não vês?)

Estou aqui
Onde estou?
Numa lan house = net que fica na Avenida Anhanguera, número 173
Muitos dirão = pensarão "ele está em goiânia - rio meia ponte"
Não aí mas aqui,
E aqui = ai
No momento estou em Araguaína -
Qual rio?
Não sei ao certo, a cidade ficou num enclave, num ponto equidistante entre os rios Araguaia e Tocantins, sendo que esta cidade-estado é abastecida = banhada pelo Rio Lontra
O sobrenome desta cidade-estado poderia ser Lontra, Rio Lontra, no entanto do ponto de vista das leis da integralidade, oriundas do Integral = Perfeito, spin deus, humano = animal = jurídico, os riachos ou rios de pequena monta fazem parte daquele na qual ele deságua, sendo míster portanto que eu pergunte às pessoas aqui presentes onde deságua o Lontra que, é claro, pode desaguar noutro(s) pequeno(s) rio(s) até desembocar num grande rio ou mar
De forma que uma bacia é, do ponto de vista da Tradição, isto que aqui chamam de região, Estado ou Província
Eu (me dirigindo a um moço que está em pé aqui ao lado): você sabe onde o Rio Lontra deságua
Ele: é pro rumo do Araguaia
Eu: você não tem certeza?
Ele: não
Eu: a sua resposta não me serve
.......
Vou dirigir-me a outra pessoa, ao dono da lan house
Eu: você sabe onde deságua o Rio Lontra?
Ele: no Araguaia
(Eu, diante do gesto = resposta afirmativa dele fiquei muito feliz e, claro, nem precisei perguntar, como momentos atrás, se ele tinha certeza)
Eu: muito obrigado
Ele: pois não, de nada, precisando só me procurar
..............
Isso, as pessoas precisam se informar ao invés de viverem feito o que são, ou seja, tábulas - rasas, vazias, este o maior crime = doença da humanidade,
Encha-se de informação, pára de ser escravo da ignorância
Não vês?
....
Ah, fiquei tão interessado em saber o nome deste rapaz que, apesar de bilhões de neurÕnios na cabeça não conhece o chão no qual pisa
Eu: como é mesmo o seu nome?
Ele: Neto
Eu ( pensando): só poderia ser.
( ) Narciso
feio
Eu: ali embaixo tem um lago, a água é poluida?
Ele: la é, mas um pouco mais abaixo nao é
Eu: porque um pedaço é poluido e outro não
Ele: mais embaixo é a cabeceira
...
Eu: como cabeceira se é um lago?
Ele: ah é, errei, a cabeceira é mais embaixo
Eu (pensando, quem sabe ele possa ser aproveitado para alguma coisa que eu não tenha a menor noção, não à incompreensão e ao preconceito, não posso me esquecer das coisas erradas que pensei acerca de Gaspar, companheiro de viagem pará cá e, no final das contas, vi que se tratatava de um exímio contador de causos e histórias apesar do analfabetismo que o levava a me seguir como forma de identificar o banheiro masculino)
A compreensão chegou